Rinite

Todo desvio de septo precisa ser corrigido?

O septo nasal é a parte do nariz que divide as fossas nasais em cavidade nasal direita e esquerda, sendo composta por cartilagem e osso. Quando o septo fica torto para um dos lados e faz com que o nariz fique entupido, significa um desvio de septo. A função do nariz é purificar, aquecer e umidificar o ar inspirado, bem como servir de câmara de ressonância para o som e possibilitar o olfato. Quando o nariz está entupido há aumento de perda de energia com a respiração, com prejuízo evidente para a saúde.

Quando o desvio de septo necessita de cirurgia?

Muitas pessoas, além do desvio do septo nasal, apresentam aumento do volume dos cornetos (conchas nasais) devido a rinite (alérgica ou não), que piora ainda mais o entupimento nasal. Em casos em que o desvio dificulta respiração e a qualidade de vida do paciente, a cirurgia é a melhor opção. A Septoplastia frequentemente é associada a diminuição do volume dos cornetos, este procedimento também é feito por via endoscópica e denomina-se Turbinectomia ou Turbinoplastia.

Caso o desvio do septo nasal esteja associado a deformidade do dorso ou ponta nasal, pode ser necessário corrigir simultaneamente a aparência externa para melhorar o funcionamento nasal, constituindo-se assim na cirurgia denominada Rinosseptoplastia.

Como é a cirurgia?

A Septoplastia é feita por dentro do nariz (por via endoscópica nasal) por meio de fibra ótica com o auxílio de vídeo, não sendo realizado incisões externas. A cirurgia demora cerca de 30 a 60 minutos, dependendo da complexidade do desvio.Uma tala de silicone é deixada no nariz por uma semana, quando então é retirada no consultório. Não se faz necessário o uso de tamponamento nasal, porém, excepcionalmente pode ser necessário.

Se você suspeita de um desvio no septo que atrapalha sua qualidade na respiração, entre em contato com Otocenter Recife e marque uma consulta.

Leia mais...

Rinite gestacional: como tratar?

Sabemos que muitas grávidas preferem não fazer alguns tratamentos, pois têm medo de prejudicar o bebê; no entanto, se esses sintomas têm aparecido com frequência, você pode estar com Rinite Gestacional.

A Rinite Gestacional é um problema comum durante a gestação e atinge de 20 a 40% das grávidas (principalmente nos 2º e 3º trimestres da gravidez). Uma vez diagnosticada, é necessário tratá-la o quanto antes, para evitar os riscos que ela pode trazer a você e ao seu bebê.

O que é a Rinite Gestacional?

De acordo com especialistas da Universidade Federal de São Paulo, a Rinite durante a gestação é diferente da rinite gestacional. A rinite durante a gestação inclui todos os tipos de rinite (não alérgica, medicamentosa, alérgica etc.), e elas estão presentes antes, durantes e depois da gestação.

Já a rinite gestacional é uma obstrução nasal, ocorre no 2º ou 3º trimestre da gestação e dura 6 semanas ou mais. Ela não está presente antes da gravidez. Caso você já tenha rinite antes de engravidar, os sintomas podem piorar durante a gestação. Geralmente, a causa dessa rinite é hormonal e ocorre por causa dos níveis de estrogênio, que aumentam na gravidez.

Riscos da rinite gestacional

Aquelas acometidas pela obstrução do nariz causada pela rinite gestacional acabam inalando menos óxido nítrico (NO). A redução de NO no corpo pode levar a:

  • Hipertensão materna;
  • Retardo do crescimento intrauterino;
  • Pré-eclâmpsia;
  • Menores pontuações na escala de Apgar para o recém-nascido.

Outro problema é o uso de descongestionantes nasais em excesso, o que pode causar uma rinite medicamentosa que não se resolve depois do parto.

Como saber se você tem Rinite Gestacional ou resfriado?

É importante fazer um diagnóstico em um hospital especializado em otorrinolaringologia. Você pode procurar uma clínica caso comece a sentir uma obstrução nasal que já existia antes da gravidez.

O diagnóstico só será positivo caso você tenha piora no padrão ou caso haja algum sintoma que cause impactos consideráveis em sua qualidade de vida.

obstrução nasal da rinite, sendo gestacional ou não, pode causar apneia obstrutiva do sono, ronco e piora na qualidade do sono.

Já o resfriado ou a gripe não contam só com a congestão nasal. Além disso, podem aparecer dores na garganta, no corpo, febres e tosses, e essas doenças duram, no máximo, 10 dias.

Principais formas de tratar essa Rinite durante a gravidez

A nossa primeira dica é evitar consumir medicamentos sem consultar uma clínica especializada antes – é importantíssimo contar com a prescrição médica. Usar qualquer medicamento por conta própria pode causar más-formações no feto – e o risco é maior nos 3 primeiros meses.

Caso o incômodo seja muito grande e você precise de um alívio até a consulta, você pode fazer lavagem nasal com soro fisiológico. Ele pode reduzir os sintomas da Rinite, seja gestacional ou não.

Por mais que alguns remédios sejam liberados para gestantes, é importante usá-los sob orientação médica. Por isso, procure um otorrinolaringologista, ginecologista ou obstetra para te ajudar.

Dicas importantes para melhorar os sintomas

  • Ponto de atenção: jamais use gotas nasais descongestionantes (elas criam uma dependência química e prejudicam o seu bebê);
  • Em caso de sangramento, não deite por completo, porque o sangue pode retornar para o nariz. Em vez disso, eleve a cabeça;
  • Faça exercícios físicos para melhorar o sono e controlar o peso;
  • Use soluções salinas para lavagem nasal, o que pode aliviar temporariamente os sintomas;
  • Mantenha as janelas abertas, para arejar a casa;
  • Evite espanadores, vassouras e tudo o que levanta poeira. Prefira os panos umedecidos;
  • Evite também o contato com animais. Caso você os tenha em casa, não deixe que eles subam em estofados ou camas.

Ficou com alguma dúvida sobre algum dos pontos que falamos aqui? Se você precisa saber mais sobre a Rinite Gestacional e quer uma informação mais detalhada, entre em contato conosco.

Leia mais...

Assoar o nariz faz mal?

Assoar o nariz é uma prática tão comum que quase ninguém se dá ao trabalho de questionar se é ou não prejudicial à saúde. Todavia, a ação carrega mais perigos do que, provavelmente, muitos imaginariam. Quando as vias nasais estão congestionadas fica mais difícil respirar e por isso mesmo a tendência instintiva é de eliminar tudo o que estiver causando a incômoda obstrução.

 

No entanto, muitas pessoas empregam muita força para se livrar das secreções que se acumulam nas narinas quando estão gripadas ou com alguma alergia e acabam comprometendo a integridade do local, o que pode ser um problema.

 

Além de piorar o quadro da alergia ou gripe, já que a força prejudica a mucosa nasal e os seios da face, também pode causar problemas em outras partes do corpo. Embora seja raro de acontecer, assoar o nariz com muita força aumenta-se a pressão nos vasos sanguíneos, podendo levar a sangramentos, descolamento de retina, e até mesmo um derrame.

 

Por isso, é necessário fazer isso de forma suave e controlada. Há também outras formas de expulsar a secreção, como a limpeza nasal com soro fisiológico, fazer uso e medicamentos expectorantes, que vão facilitar a saída da secreção sem muito esforço.

 

Entre em contato para agendar uma consulta! A Otocenter está de volta com os atendimentos presenciais para você não deixar a saúde de lado.

Leia mais...

Coronavírus: quem tem rinite não faz parte do grupo de risco

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) divulgou um comunicado à imprensa ressaltando que esse problema, por trás de crises de coriza e muita coceira no nariz, não aumenta o risco de complicações do coronavírus. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) não cita essa enfermidade em seus documentos oficiais que abordam os grupos de risco da pandemia.

 

Para entender o porquê, precisamos antes compreender os efeitos do Sars-CoV-2 no corpo. A Covid-19 é uma doença infecciosa aguda, de caráter sistêmico. Isso significa que ela consegue afetar vários órgãos. O vírus penetra em células de diversos tecidos. O comprometimento do pulmão é uma das principais preocupações dos profissionais de saúde.

 

A rinite acomete apenas a mucosa nasal. Ou seja: ela não é sistêmica, nem abala os órgãos da respiração, uma inflamação bem localizada. O mesmo vale para sinusite, laringite e faringite. Além disso, a rinite não definha o sistema imunológico. Isso significa que as tropas de defesa de seus portadores seguem em forma para debelar infecções em geral, inclusive o coronavírus.

Leia mais...