Garganta

Por que tenho pigarro?

Você já deve ter sentido aquela sensação desagradável de que há alguma coisa presa na garganta, certo? Esse pigarro raramente representa um perigo para a saúde, e muitos vezes as pessoas nem investigam a causa ou suspeitam ser algo mais grave, mas se o sintoma for frequente é preciso procurar um especialista.

A grande maioria dos pacientes limpa a garganta na tentativa de eliminar o pigarro de forma espontânea, sem perceber os perigos que podem estar escondidos neste hábito tão comum. Por isso, ficar atento à frequência com que você elimina o pigarro é essencial para diagnosticar uma possível complicação e realizar o tratamento mais adequado para seu caso.

O que ele pode indicar?

Em períodos de pouca umidade e temperaturas baixas, é comum que nosso organismo tenha maior concentração de células da defesa na via respiratória, causando irritação no local, que por sua vez irá resultar no pigarro. O sintoma é muito comum em quadros de gripes e resfriados, desaparecendo assim que essas complicações são curadas.

Mas nem sempre o problema é tão simples assim, uma vez que pode ser um sinal de alerta para complicações mais graves, principalmente se o sintoma for contínuo. Saiba o que ele pode indicar!

Refluxo faringo-laríngeo

Considerada uma das principais causas do pigarro, o refluxo faringo-laríngeo é ocasionado pelo retorno de ácidos do estômago para a garganta, criando a sensação de que algo está preso na região. Além do pigarro, o refluxo faringo-laríngeo causa outros sintomas otorrinolaringológicos, como tosse seca e rouquidão.

O tratamento para o problema deve ser realizado com base em orientações dietéticas, modificando o horário e tipo de alimentação do paciente para diminuir a produção de ácidos estomacais.

Rinossinusite aguda

A rinossinusite aguda pode ser desencadeada por infecções virais que ocorrem durante gripes, resfriados ou crises alérgicas. Como consequência da infecção na garganta, o organismo reage produzindo muco em excesso, que irá resultar no pigarro.

O diagnóstico da rinossinusite é realizado clinicamente através de avaliação médica e exame físico. O tratamento é realizado a base de medicamentos, como anti-inflamatórios e descongestionantes nasais.

Câncer de laringe

O câncer de laringe é um dos mais comuns entre os que atingem a região da cabeça e pescoço, ocorrendo, predominantemente, em homens acima de 40 anos de idade. O pigarro pode ser um dos sintomas iniciais de câncer de laringe, que pode ser acompanhado de outros sinais, como dor de garganta, alterações na voz e disfagia.

O diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de que o tratamento seja efetivo no combate ao câncer. Por isso, se você notar a presença dos sintomas acima, é importante buscar ajuda médica o quanto antes.

Laringite crônica

A laringite crônica é uma condição inflamatória que atinge a laringe e persiste por mais de 3 semanas. Muitas vezes causada por irritação prolongada das cordas vocais, a condição tem como principais sintomas o pigarro, dor de garganta, tosse e rouquidão.

O tratamento depende da causa do problema, mas, geralmente, consiste em descansar a voz e evitar exposição a agentes que possam afetar as cordas vocais, como cigarro, poluição e fumaça.

Leia mais...

Os 5 grandes vilões da voz

Que cuidar da saúde é algo que todos devem fazer não é segredo. No entanto, ao se cuidar, você também lembra da sua voz? Parece um cuidado desnecessário, mas, existem hábitos e práticas que podem comprometer a sua voz a longo prazo e nós da Otocenter queremos falar desses grandes vilões!

Alguns excessos cometidos diariamente podem prejudicar a sua saúde vocal sem você perceber. Leia até o final para saber mais!

1. Bebidas alcoólicas e geladas

Essas bebidas prejudicam a garganta, resseca a mucosa das pregas vocais, além de potencializar o refluxo gastroesofágico em pacientes predispostos.

2. Gritar ou falar alto por muito tempo

A prática frequente de gritar ou fala alto por muito tempo pode machucar as pregas vocais, causando lesões que prejudicam a voz.

3. Tabagismo

Provoca sintomas como pigarros e tosses, que prejudicam o funcionamento do aparelho fonador, além do risco de desenvolver câncer de laringe com esse hábito.

4. Ar-condicionado

A exposição excessiva ao ar-condicionado ou à mudança brusca de temperatura também resseca a garganta. Para aqueles que não podem evitar ambientes refrigerados, é importante ingerir bastante água em temperatura natural.

5. Não fazer repouso

É necessário dar descanso para a voz também! Principalmente para aqueles que trabalham usando a voz constantemente, é importante priorizar momentos de repouso vocal para recuperar uma voz de qualidade.

Leia mais...

O que caracteriza uma amigdalite de repetição?

As amígdalas são carnosidades de tecido linfóide localizadas dentro da boca que participam do processo de proteção e formação de anticorpos. A amigdalite de repetição ocorre quando já um processo infeccioso recorrente nessa estrutura. Os agentes patológicos podem afetar de forma permanente as amígdalas e, nesses casos, é mais indicada uma cirurgia de retirada.

Os sintomas mais comuns incluem: dores de garganta e de cabeça, febre, desconforto ao engolir e pus na região (quando são inflamações bacterianas).⠀

Mas, o que caracteriza a amigdalite de repetição?

Também conhecida como Amigdalite Crônica caracteriza-se por um processo de amigdalite de repetição ou amigdalite recorrente. Nesses casos, os agentes patológicos podem afetar de forma permanente as amígdalas e provocar processos inflamatórios recorrentes.

Quais os sintomas da amigdalite?

  • Garganta inflamada e dor de garganta;
  • Dificuldade na deglutição;
  • Cefaleias ou dores de cabeça;
  • Mal-estar geral;
  • Febre;
  • Dor de ouvidos (mas observação por otoscopia costuma ser normal);
  • Voz alterada;
  • Amígdalas “inchadas”, com rubor e podendo apresentar placas esbranquiçadas na sua superfície (pus);
  • Halitose (mau hálito).

A duração da sintomatologia costuma variar entre 5 a 7 dias.

Leia mais...

Dificuldade para engolir? Veja o que pode ser e como tratar

Você já ouviu falar em DISFAGIA? A disfagia é o nome que se dá à dificuldade que algumas pessoas sofrem ao engolir alimentos, bebidas e até mesmo saliva! Essa condição pode atingir a todos, mas a maioria são idosos, podendo acarretar problemas sérios como engasgos, dor, perda de peso e falta de interesse em se alimentar.⠀

A disfagia pode ser ocasional, resultado da ingestão rápida de alimentos ou da falta de mastigação adequada. Nesse caso, não merece preocupação, apenas requer uma mudança de hábito. Porém, quando ela passa a ser persistente pode se traduzir em um problema médico grave, devendo ser devidamente avaliada. A doença atinge pessoas de todas as idades, sendo mais comum nos idosos.

A solução para esses casos é multidisciplinar: otorrinolaringologista, fisioterapeuta, fonoaudiólogo e nutricionista são profissionais que, juntos, podem apaziguar os desconfortos gerados pela disfagia.

Confira algumas dicas simples:⠀

  • Coma devagar! Tome seu tempo para mastigar o alimento, facilitando na hora de engolir;⠀
  • Coma sentado e evite deitar-se logo após a refeição;⠀
  • Coma livre de distrações! Foque na mastigação de qualidade e na deglutição.⠀
Leia mais...

Os perigos do abuso de ar-condicionado no verão

Você é desses que não dispensa o ar-condicionado no verão? O calor realmente é um verdadeiro incômodo, tornando difícil mesmo a tarefa mais simples do nosso dia a dia. Assim, acabamos apelando para o ar-condicionado para refrescar os dias mais quentes. Mas você sabia que o excesso pode ser perigoso para a sua saúde?

Isso mesmo! A diminuição da umidade do ar causada pelo uso excessivo do aparelho favorece o ressecamento nasal e possíveis resfriados.

Por que isso acontece?

Aparelhos de ar-condicionado sujos acumulam ácaros, fungos, vírus e bactérias. E é aí que mora o perigo para quem respira esse “ar sujo”. Aqueles que ficam expostos a esse ar de má qualidade estão mais suscetíveis a doenças respiratórias como rinite, bronquite, sinusite, pneumonia e infecções fúngicas de vias aéreas superiores. Lembrando que gripes e resfriados podem complicar e evoluir para sinusites.
⠀ ⠀
Além disso, as mudanças bruscas de temperatura entre os ambientes geram uma maior sensibilidade às vias respiratórias e favorecem o surgimento de rinites.⠀

Não deixe para procurar um otorrino quando a situação se agravar. Entre em contato e agende uma consulta.

Leia mais...

Dores de garganta: remédios de “alívio imediato” podem ser um perigo

Quando você sente uma dor de garganta, logo recorre a remédios de alívio imediato? Sabia que isso pode ser perigoso? Continue a leitura deste post para entender mais e abandonar hábitos que prejudicam a sua saúde!

Por que medicamentos de alívio imediato são perigosos?

Se você já procura uma pílula ou xarope assim que sente algum desconforto, cuidado. Quando usados de forma contínua, remédios podem ter seus efeitos anulados e até causar outros problemas. O uso de anti-inflamatórios para dores na garganta, por exemplo, pode irritar a mucosa do intestino, causando náuseas, úlceras, vômito e diarreia.

Seguem alguns dos outros perigos da automedicação e do autodiagnóstico:

1. Mascarar sintomas

Um dos grandes riscos da automedicação é esconder sintomas de uma condição mais séria. Geralmente, uma dor contínua e sem causa aparente indica alguma questão a ser estudada.

Mas, se você apenas trata o problema de forma paliativa — tira a dor momentaneamente —, pode perder tempo precioso e deixar de fazer um diagnóstico correto e inicial de uma doença.

2. Atrasar o tratamento efetivo

Como sabemos, quanto mais cedo descobrimos e tratamos um problema, melhores os prognósticos. A ação oposta, portanto, costuma causar os efeitos opostos. Em casos específicos, isso pode ser fatal.

Cuidado para não perder tempo. Sua saúde e sua vida devem estar primeiro lugar!

3. Causar intoxicação

Todos os remédios (incluindo aqueles de plantas) têm efeitos colaterais e, quando ingeridos em excesso, podem intoxicar o paciente. Há aqueles que podem até mesmo causar dependência.

Portanto, atenção à bula e às suas condições. A melhor coisa é estar atento aos sinais do seu corpo, cuidar da alimentação e praticar atividades físicas. Na dúvida, procure sempre um médico.

Pastilhas anestésicas e balas de menta também devem ser evitados?

Sim! Pastilhas anestésicas e balas de menta podem até causar sensação de alívio imediato para a garganta, mas o seu efeito é apenas momentâneo! Em muitos casos, podem irritar ainda mais a garganta pois mascaram os sintomas, sem tratar efetivamente o problema.⠀

Por isso, é tão importante o acompanhamento do médico otorrinolaringologista para investigação e diagnóstico correto. Não abra mão dos exames de rotina e check-ups. Doenças costumam ser mais caras — e estressantes — do que a prevenção. Clique aqui para agendar uma consulta na Otocenter.

Leia mais...

Quando as amígdalas se tornam um problema?

As amígdalas são dois órgãos localizados na região da faringe, responsáveis por produzir linfócitos (células de defesa do corpo).
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Por entrarem muito em contato com vírus e bactérias também podem infeccionar com bastante frequência, surgindo as famosas amigdalites. Porém, as indicações cirúrgicas acontecem apenas em situações específicas, como em amigdalites de repetição, em complicações sérias ou quando o aumento das amígdalas causa problemas de respiração, na deglutição ou na fala.

A cirurgia das amígdalas teve uma queda expressiva nas indicações nas últimas décadas, mas ainda é muito comum. O avanço dos antibióticos, cada vez melhores, permitiu que as infecções, que eram a maior indicação para cirurgia, fossem tratadas com medicação. Atualmente, são os distúrbios respiratórios que levam a maior parte dos pacientes a realizar a cirurgia.

A cirurgia é normalmente indicada quando as amígdalas acarretam algum prejuízo para o paciente (respiração, sono, alimentação, fala) ou quando as infecções se tornam frequentes.

Amígdalas palatinas hipertrofiadas, principalmente se associadas com aumento da adenoide, podem levar à respiração oral, que não é o ideal. Quando isto acontece em crianças, a face não se desenvolve adequadamente e os dentes crescem mal posicionados pois a respiração nasal influencia no crescimento da face.

As amígdalas hipertrofiadas também podem causar um desconforto no sono, levando à síndrome da apneia do sono. Nesta síndrome, a pessoa faz um grande esforço para respirar enquanto dorme, o que se reflete em um sono de má qualidade e, no dia-a-dia, redução de concentração e de memória.

Em alguns casos mais graves, a hipertrofia das amígdalas pode chegar ao ponto de causar uma obstrução mecânica à passagem de alimentos. Um sinal de que a criança pode sofrer deste problema é quando ela passa a preferir alimentos líquidos e pastosos e não consegue ganhar peso.

Leia mais...