Coronavírus

Crianças devem usar máscaras?

Sabe-se que a medida mais efetiva para o controle do coronavírus é o isolamento social, e que o uso de máscaras é imprescindível para saídas básicas necessárias  – como ir ao supermercado ou a um médico de emergência. Entretanto, a conversa é diferente quando o assunto é o uso do acessório em crianças menores de dois anos.

 

Segundo comunicado da Anvisa, o acessório é contraindicado para crianças menores de 2 anos, em pessoas com problemas respiratórios ou inconscientes, incapacitadas ou incapazes de remover a máscara sem assistência. Além da dificuldade em manusear o utensílio de proteção sem uma possível contaminação, a restrição para os bebês acontece também porque o pano da máscara pode causar perda de ar e eles não conseguem avisar aos pais sobre isso, como os maiores, e nem tirar o objeto sozinho.

 

Quando e como crianças devem usar máscaras? 

 

Primeiro, vale ressaltar que o ideal é que os filhos fiquem em casa. Dentro do domicílio, não é necessário usar máscaras. Na prática, só estamos recomendando para crianças acima dos 2 anos, que realmente precisem sair. Antes dessa idade, o risco de sufocamento é maior.

 

Idas ao médico, ao supermercado e outros locais com circulação de pessoas valem o uso do acessório, com a ressalva de que ele deve ser usado com bastante cuidado. O ideal é que elas sejam de algodão, tecido que irrita menos a pele, tenham duas camadas de pano e sejam presas por elásticos atrás da orelha. Diversos tutoriais online ensinam a produção mesmo sem máquina de costura.

 

Leia mais...

Coronavírus: quem tem rinite não faz parte do grupo de risco

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) divulgou um comunicado à imprensa ressaltando que esse problema, por trás de crises de coriza e muita coceira no nariz, não aumenta o risco de complicações do coronavírus. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) não cita essa enfermidade em seus documentos oficiais que abordam os grupos de risco da pandemia.

 

Para entender o porquê, precisamos antes compreender os efeitos do Sars-CoV-2 no corpo. A Covid-19 é uma doença infecciosa aguda, de caráter sistêmico. Isso significa que ela consegue afetar vários órgãos. O vírus penetra em células de diversos tecidos. O comprometimento do pulmão é uma das principais preocupações dos profissionais de saúde.

 

A rinite acomete apenas a mucosa nasal. Ou seja: ela não é sistêmica, nem abala os órgãos da respiração, uma inflamação bem localizada. O mesmo vale para sinusite, laringite e faringite. Além disso, a rinite não definha o sistema imunológico. Isso significa que as tropas de defesa de seus portadores seguem em forma para debelar infecções em geral, inclusive o coronavírus.

Leia mais...

Quais as principais causas da tosse seca?

tosse seca, ou seja, aquela que não produz secreção, normalmente é originada por uma reação alérgica. Este processo pode ter várias causas, tais como alergia à poeira, pelo de animais ou pólen de flores. Também é possível que a tosse seca seja originada por problemas cardíacos ou até refluxo gastroesofágico.

Geralmente a tosse seca está ligada a problemas irritativos ou alérgicos, enquanto as tosses que produzem secreção relacionam-se com alguma infecção. Além disso, a tosse seca pode ser causada por uma irritação na garganta causada pela inalação de fumaça ou cigarro. A água é um bom remédio natural que pode ajudar no tratamento da tosse seca, pois ela irá manter a garganta hidratada, acalmando a tosse.

Veja as principais causas desse incômodo:

  1. Gripe ou resfriado

Gripes, resfriados e alergias são os motivos mais comuns da tosse seca persistente, pois pode ser uma tentativa de expulsar os vírus, fungos e partículas de poeira, fuligem ou outro material alérgico que estiver atacando as vias respiratórias.

  1. Tabagismo

Pessoas que fumam têm mais chances de apresentar tosse seca. O calor da fumaça aspirada e as substâncias químicas presentes no tabaco provocam uma irritação constante das vias aéreas.

  1. Alergias

Alergias a poeira e pelos, também podem causar uma tosse prolongada, caso você esteja exposto a esse tipo de ambiente frequentemente, pois tende a fechar e a secar a garganta. Essa tosse também vem acompanhada de espirros e coriza constante.

  1. Pneumonia

A pneumonia é uma infecção pulmonar causada por vírus, bactérias ou fungos, que pode acometer os sacos alveolares, brônquios e outras estruturas do pulmão. Ela é uma causa para tosses de curta duração. No entanto, alguns casos podem cursar com tosse prolongada, o que pode representar não controle da infecção.

Você deve consultar um médico se o sintoma persistir por mais de 10 dias e estiver acompanhado de outros sintomas como febre e cansaço.

 

Fonte: Dr. Consulta

Leia mais...

Máscaras cirúrgicas realmente nos protegem?

 

Com o surto do coronavírus agora sendo considerado uma pandemia pela OMS, se espalhando por todo o mundo – e deixando todos em alerta – as buscas por métodos preventivos cresceram exponencialmente. Com dezenas de países com casos da doença, também, fica o questionamento: as máscaras realmente são necessárias e eficazes? Ou é apenas exagero?

 

De uma maneira geral, o uso de máscaras para prevenir infecções e problemas pulmonares pode ser positivo. Recentemente no estado de Minas Gerais, fortes chuvas causaram alagamento e motivaram o desalojamento de diversas famílias, tiveram funcionários municipais utilizando máscaras contra a poluição e o aumento de partículas de poeira em decorrência do solo enlameado.

 

Ok, pulmões protegidos! Casos de alergias e exposição a ambientes que prejudicam a respiração e os pulmões pedem proteção com o uso de máscaras.

 

Mas, quando os problemas envolvem doenças infecciosas e epidemias, o uso de máscaras cirúrgicas só é recomendado para indivíduos que já estão doentes e não devem transmitir infeções para outras pessoas.

 

Então, talvez seja um exagero e até a falta de informação da população quanto a prevenção de infecções e epidemias, como no caso do coronavírus. O ideal é ter hábitos de higiene mais rigorosos e cuidar da imunidade para evitar qualquer infecção, mesmo que uma simples gripe, pelo menos no momento.

Leia mais...

Como se prevenir do coronavírus?

Não há no momento um tratamento específico para o novo coronavírus. Mas, pelos sintomas e o tipo contágio da epidemia, é possível se prevenir contra a doença. Veja:

1. Prevenção com higiene pessoal

A doença é transmitida por gotículas de saliva e catarro que se espalham pelo ambiente. Por isso, a principal forma de prevenção é lavar as mãos com água e sabão frequentemente, em especial após tossir, espirrar, ir ao banheiro e mexer com animais. Ter um frasco de álcool gel na bolsa também é indicado.

2. Prevenção em locais públicos

Vale seguir aquela recomendação aplicada a qualquer doença que se dissemina pelo ar: mantenha distância de pessoas que apresentem sintomas como tosse, coriza e febre.

E, se você espirrar ou tossir, cubra o rosto com um braço ou lenço descartável.

3. Prevenção em viagens

Se for impossível adiar uma ida à China ou a países próximos localizados no continente asiático, siga as medidas de higiene pessoal e evite grandes aglomerações. Também prefira alimentos cozidos e não compartilhe talheres. Além disso, lembre-se de não passar as mãos nos olhos, nariz e boca ou entrar em contato com bichos doentes.

 

Fonte: Saúde Abril

Leia mais...