Tag - Ouvido

Cera no ouvido não é sujeira!

otorrino_recifeO cerúmen e uma substância produzida por glândulas da pele do conduto auditivo externo. Portanto a afirmação: “meu ouvido está sujo porque está com cera” pode ser equivocada”

A cera desempenha funções importantes, como proteção e lubrificação do canal auditivo, além de ser barreira contra proliferações de bactérias e fungos. Queixas como: sensação de perda auditiva e abafamento na suspeita de cera, procure um otorrino!

Leia mais...

Aparelho auditivo na terceira idade

audiometria
Convencido o idoso de que o aparelho auditivo vai melhorar a qualidade de vida, a família deve prestar atenção aos sinais de que a adaptação está indo bem ou não tão bem assim. Esse processo deve levar algumas semanas, nas quais o idoso pode reclamar do som muito alto, dos zumbidos e mesmo da falta de compreensão nas conversas – sinais de que o aparelho amplificador de som ou o ouvido precisam ser revistos.

Durante esse processo de adaptação, os familiares precisam ser compreensivos e lembrar que voltar a ouvir é tão complicado quanto ligar a luz depois de horas no escuro. Entre o diagnóstico da perda auditiva e a aceitação do uso do aparelho pelo idoso se passam, em média, sete anos e o cérebro “desaprende” a ouvir certos tons, começando pelos mais agudos. Alguns idosos precisam, inclusive, mesclar as consultas no otorrinolaringologista com visitas ao fonoaudiólogo, para reaprenderem a identificar as fontes sonoras e até mesmo a falar certas palavras.

Quando o idoso tenta se enganar de que não está “tão surdo assim”, algumas situações são comuns e são as mesmas de quando o aparelho não está bem adaptado. Em reuniões com muitas pessoas, ele fica isolado ou culpa os outros por não compreender o assunto da conversa; em casa, tenta aumentar o volume da tevê, do rádio; reclama ou retira constantemente o aparelho e não percebe os benefícios do amplificador.

Mesmo entre aqueles muito bem adaptados ao aparelho, a família precisa tomar certos cuidados. O custo do aparelho varia de R$ 2 mil a R$ 14 mil, e qualquer estrago não tem conserto. Por isso, atenção redobrada nos momentos do banho ou da piscina, quando o idoso esquece que está com o amplificador no ouvido e pode umedecer a peça.

Muita cera

Quem tem muitos pelos no ouvido pode ter mais dificuldade em se adaptar ao amplificador. Isso porque os pelos agem como bloqueadores do som, prejudicando a percepção do idoso. O mesmo acontece com o excesso de cera de ouvido. Para tanto, uma visita mensal ao médico é de grande ajuda.

Até que o período de adaptação passe, e mesmo depois, a indicação dos especialistas é visitar o médico otorrinolaringologista pelo menos duas vezes ao ano.

Fonte: Gazeta do Povo

Leia mais...

Zumbido afeta 28 milhões de brasileiros

zumbidoCerca de 28 milhões de brasileiros sofrem com o zumbido, aquele barulhinho no ouvido que lembra um apito, chiado ou panela de pressão.

São muitas as causas que provocam o barulho, que não tem uma real fonte externa e é percebido nas orelhas ou na cabeça. “Trata-se de um sintoma, e não uma doença, passível de cura”, explica a otorrinolaringologista Clarice Saba, Vice-Presidente da Sociedade de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Bahia.

Em todo o mundo, 278 milhões de pessoas são afetadas pelo sintoma, segundo a Organização Mundial de Saúde. A médica, que já ganhou o mais importante prêmio científico internacional na área de estudos sobre zumbido, o Jack Vernon Awards, conta que uma das explicações da percepção do barulho está relacionada ao aumento de impulsos elétricos que a via auditiva manda para o cérebro.

Clique aqui e se informe sobre cirurgia no ouvido

As causas e os tratamentos são múltiplos, e por isso é imprescindível descobrir o que desencadeou o zumbido para realizar um tratamento personalizado.

“Muitas doenças podem causar zumbido, como a perda auditiva parcial ou total, questões anatômicas referentes à cabeça, face e pescoço, postura, alterações nos níveis de triglicerídeos e colesterol, pré-diabetes, alto consumo de cafeína e açúcar, alteração de tireoide, dentre outros fatores”, conta.

A médica ressalta que, no paciente portador de zumbido, o organismo reage como se estivesse constantemente ameaçado, podendo ocorrer um estado de esgotamento.

“Entre as consequências, o paciente pode reagir tendo alterações de humor, falta de concentração, perturbações do sono, estresse, irritabilidade e depressão ? podendo levar até mesmo ao suicídio. O sintoma também agrava patologias, como hipertensão e diabetes”, explica a otorrinolaringologista

Dicas que mostram que o ambiente não está sendo saudável para os ouvidos:
– se você tem que gritar para ser ouvido;
– se você não entende o que estão falando a um metro de distância;
– se a música tocada no seu fone de ouvido pode ser ouvida por uma pessoa próxima a você;
– se após exposição ao barulho você apresentou zumbido

Fonte: Tribuna da Bahia

Leia mais...

Teste de prótese auditiva Unimed Recife

teste_de_protese_auditiva_unimed_recifeAtravés do plano de saúde Unimed Recife, o paciente poderá fazer seu teste de prótese auditiva na Otocenter Recife.

Pacientes com perda auditiva são beneficiados com adaptação da prótese, na medida em que a mesma otimiza a compreensão do som e notadamente da voz humana.

Clique aqui e tire suas dúvidas.

Agende sua consulta > (81) 3039-5005 / (81) 3033-5010

Leia mais...

Otorrino pediatria Unimed Recife

otorrino_pediatria_unimed_recifeAtravés do plano de saúde Unimed Recife, o paciente poderá fazer sua consulta de Otorrino pediatria na Otocenter Recife.

O otorrinolaringologista assume papel fundamental no acompanhamento de pacientes nessa idade, tanto na identificação precoce de deficiência auditiva como no tratamento adequado dos distúrbios respiratórios. Clique aqui e tire suas dúvidas.

Agende sua consulta > (81) 3039-5005 / (81) 3033-5010

Leia mais...

Otorrino Unimed

otorrino_unimed_recifeAtravés do plano de saúde Unimed Recife, o paciente poderá fazer na Otocenter Recife:

CONSULTAS de Otorrinolaringologia geral, Otorrino pediatria, Reabilitação vestibular, Teste de prótese auditiva e Terapia da fala e estudo da voz.

EXAMES, como o Teste da orelhinha, Videoendoscopia nasal (Nasofibroscopia), Videolaringoscopia, Videoendoscopia da deglutição, Exame Vestibular e Audiometria.

CIRURGIAS de Amígdalas e adenoides, Ouvido (Timpanoplastia e Timpanomastoidectomia), Nariz (Septoplastia e turbinectomia, Cirurgia endoscópica dos seios paranasais, Redução de fratura nasal e Cirurgia de base de crânio), Laringe (Microcirurgia de laringe e Tireoplastia),

Agende sua consulta com um especialista > (81) 3039-5005 / (81) 3033-5010

Clique aqui e entre em contato.

Leia mais...

Seis causas comuns de labirintite

labirintiteDistúrbio no labirinto pode ser desencadeado por mais de 300 fatores. Entre os principais estão:

1) Hipertensão
A hipertensão aumenta a pressão no interior das artérias e dificulta a chegada de sangue no labirinto. Com menos sangue, faltam nutrientes e oxigênio para nutrir as células da região. Esse desequilíbrio faz com o cérebro tenha dificuldade em decodificar a posição da cabeça no espaço por não conseguir se comunicar adequadamente com o labirinto.

2) Diabetes, pré-diabetes e hipoglicemia
Qualquer desajuste na quantidade de açúcar no sangue altera a vascularização do labirinto. “Além disso, essa disfunção pode mudar a constituição do líquido que há dentro do labirinto, que ajuda na percepção do equilíbrio”, diz o otorrinolaringologista Fernando Ganança, presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e de Cirurgia Cérvico-Facial.

3) Açúcar refinado
O consumo exagerado de açúcar refinado altera o funcionamento do labirinto e as mensagens que ele envia ao cérebro. Um dos sintomas da falha e comunicação entre o cérebro e o labirinto é a tontura. Por isso, a recomendação é ingerir doces e guloseimas com moderação.

4) Medicamentos
O uso recorrente de quimioterápicos, anti-inflamatórios, antibióticos e anti-hipertensivos modifica o funcionamento do labirinto e prejudica o envio de mensagens para o cérebro sobre a posição da cabeça.

5) Café em excesso
A cafeína, presente no café, em chás e refrigerantes, é uma substância estimulante e tóxica para o labirinto. “Ela aumenta a densidade do líquido do labirinto, e isso atrapalha a percepção do cérebro sobre a posição da cabeça”, diz Ganança.

6) Bebida alcoólica
Bebidas alcoólicas são estimulantes, como o café. O álcool em excesso causa uma irritação aguda no labirinto e prejudica a percepção do cérebro sobre a posição da cabeça.

Fonte: Veja

Leia mais...

Brasileiros ignoram riscos da perda auditiva

fotoSem buscar informações, sem saber como se prevenir, desconsiderando os sintomas e abusando de maus hábitos diários, os brasileiros estão, de forma lenta e progressiva, prejudicando a saúde e ignorando os riscos da perda auditiva e suas consequências. O cenário foi verificado em cinco capitais brasileiras, após levantamento feito por empresa de soluções auditivas, e mostrou que os belo-horizontinos se destacam negativamente por sua alta exposição a barulhos por períodos maiores que oito horas.

Sem buscar informações, sem saber como se prevenir, desconsiderando os sintomas e abusando de maus hábitos diários, os brasileiros estão, de forma lenta e progressiva, prejudicando a saúde e ignorando os riscos da perda auditiva e suas consequências. O cenário foi verificado em cinco capitais brasileiras, após levantamento feito por empresa de soluções auditivas, e mostrou que os belo-horizontinos se destacam negativamente por sua alta exposição a barulhos por períodos maiores que oito horas.

Prevenção > Utilizar protetores, evitar a exposição ao barulho e realizar exames com frequência foram as principais formas mencionadas pelos entrevistados.

Situação > Cerca de 800 milhões de pessoas no mundo sofrem de perda auditiva. Estima-se que este número pode chegar a 1,1 bilhão até o final de 2015 – aproximadamente 16% da população mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Matéria: Litza Mattos
Fonte: O Tempo

Leia mais...

Otosclerose

ouvidoA otosclerose é uma doença que envolve a cadeia ossicular do ouvido. Raramente ocorre a perda auditiva em indivíduos menores de 15 anos de idade. A doença afeta duas vezes mais as mulheres do que os homens, sendo bilateral em aproximadamente 80% e 90% dos casos, respectivamente. Nas mulheres, o risco do aparecimento dessa doença também tem sido relacionado com as alterações hormonais presentes durante a gestação.

A manifestação clínica mais observada é a perda auditiva progssiva. Em adição, pode haver a presença de tonturas, equilíbrio e zumbidos no ouvido. De acordo com alguns autores, a otosclerose apresenta na sua primeira fase uma perda auditiva condutiva; na segunda fase, uma perda auditiva mista e, por conseguinte, com a progressão da doença, pode apresentar componente sensorioneural.

O diagnóstico é baseado em exames clínicos e nos testes auditivos.

Clique aqui e conheça a Estapedotomia (cirurgia da audição)

Leia mais...