Blog

Como é produzida a voz?

canto

A voz é produzida na laringe através da vibração das pregas vocais, também conhecidas como cordas vocais, que realizam seu movimento com o fluxo de ar que vem dos pulmões e com a ação dos músculos da laringe. De início, o som é baixo e fraco, sendo ampliado pelas cavidades de ressonância, que são a faringe, a boca e o nariz. Após a amplificação, o som será articulado na cavidade oral por meio dos lábios, bochechas, língua, palato e mandíbula.

A falta de conhecimento da importância de certos cuidados básicos para preservar a voz pode ter como consequência o aparecimento de algumas doenças laríngeas como: edemas, nódulos, pólipos, entre outras.

Fonte: senado.gov.br

Leia mais...

Hábitos prejudiciais à voz

voz

Alguns hábitos e costumes adquiridos ao longo do tempo podem ser prejudiciais à voz, tais como:

– Gritar ou falar durante muito tempo.
– Cuidado com as mudanças de temperatura ambiental e com locais com ar condicionado, pois o resfriamento resseca o trato vocal.
– Evite o choque térmico com bebidas geladas, estas causam edema e muco nas cordas vocais.
– Evite bebidas alcoólicas, sprays, pastilhas e drops, estes atuam como anestésicos melhorando a voz aparentemente.
– Não pigarrear ou tossir, pois este hábito promove atrito entre as cordas vocais. Procure engolir saliva ou beber água.
– Evitar exposição à poeira, gás e cheiros muito fortes.
– Evitar o fumo, pois irrita a mucosa do aparelho fonador, especialmente as cordas vocais.
– Comer alimentos muito temperados e condimentados causa irritação nas cordas vocais.
– Evite comer alimentos achocolatados e derivados do leite, principalmente antes do uso profissional da voz, pois estes aumentam a secreção no trato vocal.

Caso você esteja com uma rouquidão ou qualquer outro incômodo por mais de 15 dias, procure um otorrinolaringologista e/ou um fonoaudiólogo.

A prevenção continua sendo a melhor opção. Cuide da sua voz, afinal, ela faz parte da sua identidade.

Fonte: senado.gov.br

Leia mais...

Os riscos à saúde causados por noites mal dormidas

insonia

A falta de qualidade no sono pode acarretar em graves danos à saúde. Problemas como ronco e apneia normalmente levam a um quadro de sono não reparador com prejuízo significante na qualidade de vida. Estudos também demonstram que esses pacientes apresentam risco aumentado para doenças cardiovasculares, levando a sérias consequências ao organismo. Esses fatores, em associação com a alta prevalência de distúrbios do sono na população mundial motivaram a criação do Dia Mundial do Sono, comemorado em 14 de março, como forma de alerta à população.

A falta de um sono reparador pode ter diferentes causas, como ronco, apneia, insônia, distúrbios do movimento (Síndrome das pernas inquietas e bruxismo), entre outras. Em conseqüência de uma noite mal dormida, surgem indisposições, fadiga crônica, sonolência excessiva, prejudicando a pessoa em seu cotidiano e colocando-a em risco de acidentes dos mais variados tipos.

Dentre os distúrbios do sono, o ronco e a apneia do sono são os mais prevalentes. Estima-se que 32,8% da população adulta da cidade de São Paulo apresente apneia do sono. ” O ronco pode ser o principal sintoma de uma doença maior que é a apneia do sono. Assim, além de atrapalhar consideravelmente a qualidade de sono e incomodar parceiro (a), pode trazer sérias repercussões ao individuo, mas a boa notícia é que há várias formas de tratamento para esse distúrbio. É importante que a pessoa afetada pelo problema procure por um profissional especializado em medicina do sono, que identificará a causa e indicará o tratamento mais adequado”, explica a Otorrinolaringologista Dra. Fernanda Haddad, Coordenadora do Departamento de Medicina do Sono da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

Segundo o programa de controle médico e saúde ocupacional (PCMSO) e o programa de prevenção à riscos ocupacionais (PPRA) os transtornos do sono estão relacionados ao aumento do absenteísmo, diminuição da produtividade, aumento das taxas de acidentes e incapacidade devido a doenças médicas (hipertensão, coronariopatia, acidentes vasculares cerebrais, descontrole metabólico).

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) e o CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) estimam que grande parte dos acidentes de trânsito sejam causados por condições físicas do motorista, associadas a distúrbios do sono: sono inadequado e fadiga, e por este motivo desenvolveram protocolo de triagem para diagnóstico de apnéia do sono.

Segundo a otorrinolaringologista, é fundamental a difusão do Dia Mundial do Sono para que as pessoas se conscientizem e percebam que a situação pode ser muito mais séria do que simplesmente uma noite mal dormida. “Infelizmente, muita gente não dá a devida importância a problemas como o ronco, que pode levar a situações preocupantes. Mas hoje em dia, com uma adequada avaliação médica multidisciplinar, e com o auxilio de exames laboratoriais como a polissonografia, é possível individualizar e otimizar o manejo e tratamento desses pacientes”, finaliza o coordenadora da ABORL-CCF.

Fonte: Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial

Leia mais...